Gabriela Vieira:

Natural do Rio de Janeiro, mais precisamente Araras, um vale na serra de Petrópolis. Geminiana. Botafoguense com muito orgulho, lançada no mundo com 17 anos, quando comecei minha carreira como modelo. Desde então cigana, curiosa por natureza, apaixonada por viagens, culturas diversas, línguas, culinária e até um pouco de moda...

Morei 5 anos em Milão, 2 em Paris e nos ultimos quase 6 anos, em Nova York. Atualmente de volta a minha origem e cidade do coração, Rio de Janeiro (mas sabe se lá até quando...)

 

  • Gabriela Vieira

Ilha Holbox - México

Diretamente ao ponto: Holbox é um pedacinho de paraíso na terra!


A ilha fica ao norte na península Yucatán no México, localizada entre o mar do Caribe e o Golfo do México. Tranquila, com ruas de areia sem calçamento e mar azul-turquesa, Holbox têm uma fauna riquíssima, além de uma beleza natural incrível.


Aqui é possivel nadar com tubarões-baleia, apreciar o plâncton na areia da praia e observar belíssimos pássaros.


Como Chegar:

Do aeroporto de Cancun é preciso dirigir por cerca de duas horas até o porto de Chiquilá, de onde saem as balsas - ou barcos privados - que atravessam o mar para Holbox. Há várias cias de aluguel de carro no aeroporto e muitos estacionamentos em frente ao pier.


Também é possivel ir de ônibus com a cia Ado. Há um balcão de venda de bilhetes da Ado no aeroporto, mas infelizmente os ônibus para Chiquila saem da estação principal, que fica no centro de Cancún, e não do aeroporto. Há também ônibus de Playa del Carmen, Tulum e Valladolid.


Existem duas cias que fazem a travessia de balsa, que saem em horários alternados, a cada meia hora. Não acho que seja necessário comprar com antecedência, mas é bom verificar os horarios: 9 hermanos e Holbox Express. Os bilhetes custam cerca de 7 dólares e o tempo de viagem é de aproximadamente 25 minutos.


Onde Ficar:

Há basicamente duas propostas diferentes de acomodação na Ilha:

- Ficar um pouco mais afastado do centro, na zona hoteleira, onde os hotéis são de frente pra praia, mais sofisticados - e mais caros - com serviço de cabanas na praia, mas estando ciente de que vai ser preciso algum transporte pra chegar ao centro.


- Ou se hospedar no centro, perto dos restaurantes e do comércio em geral, tendo a facilidade de voltar andando para o seu hotel e não precisar de transporte sempre.


A maioria dos hotéis mais luxuosos têm também um restaurante prestigiado, como é o caso do Mandarina, que fica no charmosíssimo Hotel Casa las Tortugas. Sendo assim, é possivel conhecê-los, mesmo não ficando hospedado. Esse é o primeiro hotel na faixa de areia da zona hoteleira, então eu diria que reune o melhor dos "dois mundos".

Dica de hotéis luxuosos na Zona Hoteleira: Aldea Kuká (fotos abaixo), Palapas del Sol, Villa Flamingos, Las Nubes.

Hotel boutique com linda decoracão no centro:

Casa Cat Ba.







Além destes, no centro existem várias opções mais familiares e baratas, com cozinha comunitária, como é o caso do Art Maya Rooms (ao lado), ou opções para socializar com outros jovens em "Party-Hostels" como o Tribú que tem até um palco onde acontece uma divertida noite de salsa, e o Che e o Mittoz, com seus rooftops.











Transporte na ilha:

Em Holbox não existe calçamento e nem circulam carros, então os principais meios de transporte são as bicicletas, que é possível alugar por cerca de 200 pesos por dia, ou carrinhos de golfe, que além de poderem ser alugados, também funcionam como os taxis oficiais da ilha. Cada distância é tabelada, mas fique ciente de que as vezes, dependendo da temporada e a noite, os preços ficam mais altos:


O que fazer em Holbox:

- Nadar com Tubarão-Baleia:

Um dos pontos altos de Holbox é este passeio, que é somente possível nos meses de julho, agosto e as vezes setembro, que é a época do ano em que os animais são encontrados no santuário natural localizado há 2 horas de barco do pier de Holbox. Custa cerca de 2800 pesos (140 USD), com ceviche no almoço e equipamento de snorkel incluídos.



Sinceramente, na ida você vai achar que está fazendo um péssimo programa, porque realmente o percurso é desconfortável e o mar muito batido, além de ser caro. Mas vale MUITO a pena, pois vai ser uma das coisas mais especiais que vc já fez na vida!







O mais incrível é que o mergulho acontece no meio do nada, em alto mar. De repente o barco pára onde estão tantos outros barcos à "caça" - no sentido mais inofensivo da palavra - aos gigantes.

Aí então avistamos uma barbatana e várias pessoas nadando em volta, o que não acontece perto de uma barreira de corais ou de terra, como eu teria imaginado.


O instrutor/guia mergulha com uma dupla de cada vez. Cada mergulho dura cerca de cinco minutos e dependendo das condições do mar, cada dupla pode descer de 2 a 3 vezes. É, obviamente, estritamente proibido tocar/encostar nos animais.

Depois do mergulho ainda paramos para um snorkel em um recife - que não foi nada especial depois de ver os tubarões. E paramos para almoço, em uma parte da reserva da Ilha de Holbox onde existe um rio vindo do mar e correndo ao lado de um belo banco de areia. Aqui almoçamos uma ceviche super fresca e ainda vimos uma belíssima revoada de pássaros (que não deu tempo de fotografar).


- Andar até Punta Mosquito:

Falando em banco de areia, outra atração especial de Holbox é o longo banco de areia que se forma em uma das pontas da ilha. Boa parte dele fica localizado numa reserva de protecão ambiental. É possível chegar de bicicleta ou carrinho de golf (taxi) até o início, mas depois é preciso atravessar andando, pela margem ou por dentro do mar, até chegar a Punta, o que pode levar mais de uma hora.

Em um certo momento, quando nos certificamos de que que a maré estava baixa para cruzar, com as bolsas no alto da cabeça, atravessamos o mar até a ponta. Dali, não é permitido continuar. Com sorte, é possível ver flamingos.


Decidimos nos aventurar e voltamos tudo por dentro d'agua, por cerca de 2km pelo banco de areia.

Sim, é longo desse jeito mesmo!

Não é permitido voar drone na área de protecão ambiental, mas nessa imagem de um voo que fiz por cima do hotel na zona hoteleira, conseguimos entender a dimensão desse banco de areia e a distância até Punta Mosquito:


- Pedalar até Punta Cocos:

Falando em ponta, o outro extremo da ilha também merece uma visitinha, mas dessa vez, dá pra chegar de bicicleta diretamente lá. Punta cocos têm bem menos estrutura em volta e pouca coisa pra fazer, mas um drink admirando o pôr-do-sol com o pier de fundo não é nada mal.

Aconselho visitar de manhã, pois no fim do dia a maré já estava baixa demais.


- Curtir o pôr-do-sol:

Ver o sol se pondo na água, ao fim de um belíssimo dia, é uma das imagens mais marcantes desse paraíso. E o melhor: a cada dia é um espetáculo diferente!


- Bioluminescência:





O mesmo plâncton que alimenta e atrai os tubarões baleia é visível em um pedaço das praias de Holbox. Porém o fenomeno é melhor observado em noites escuras.

Como tivemos a sorte de pegar dias lindos e lua cheia, nós acabamos não fazendo esse passeio.


E tudo bem, porque a lua estava um espetáculo!












- Grafite/Arte de Rua:



Holbox é considerada uma galeria a céu aberto pra quem gosta de grafite e arte.


Aconselho andar sem rumo encontrando-as pelas ruas.


A mais famosa delas - o pescador a beira da praia - fica bem no centro, perto do pier (que também tem uma arte bem legal!)







- Aproveitar a Praia:

As vezes, quando estamos viajando, esquecemos de aproveitar o "dolce far niente" (eu todinha!).

Permita-se fazer nada aproveitando a praia e esse marzão lindo! Não deixe de provar a manga fresca cortada na hora, mas não espere muito da agua de côco (amarelo) deles!


Saiba que na zona hoteleira, onde a praia é mais tranquila, a areia é tomada pelos guarda-sóis/cabanas dos hotéis. As vezes vale a pena pagar o day use pra usufruir desse serviço.

Onde comer:

Holbox tem ótimas opçoes de uma gastronomia bem variada e internacional, misturada com a culinária mexicana.


Café da manhã:

A padaria Le Jardin serve um café da da manhã delícia numa atmosfera bem charmosa:

Apesar de não podermos dizer que no Manglu nos sentimos no México, os gigantes Waffles e Smoothies, em mais um local super charmoso (e instagramável), são uma delícia!




Para os amantes de um bom café, o Another Clandestino, com suas infinitas opções, incluindo matchá, além de bowls, cheesecake e toasts, é imperdivel.

















Almoço:

Faz tanto, mas tanto calor durante o dia, que pode ser que um bom suco e uma bela salada já te façam feliz. Tem isso tudo e mais um pouco, incluindo muitas opções vegetarianas no café Painapol.

Jantar:

Piedrasanta tem uma decoração lindíssima e pratos deliciosos:

Luuma, para ver e ser visto. Têm uma atmosfera badalada mas casual, uma tábua de queijos imperdível e comida interessante no estilo tapas/para compartilhar.

Fomos atraídos pro Holbox Básico por conta da música que tocava quando passamos na rua. Depois nos encantamos com a decoração e o menu de drinks, super criativo.


Agora, onde comer comida mexicana no melhor estilo raiz?

Nas vendinhas do mercado municipal de Holbox, que fica perto da pista do autódromo, com destaque para quesadilla com massa fresca feita ali mesmo!

Se deliciando com as porções enormes do El Crustaceo Kaskarudo:

E provando os tacos super criativos e a famosa pizza de lagosta, prato típico da ilha, no Holbox foodie market.

Por fim, assista meu Vlog de Holbox:




  • Instagram
  • YouTube